O Ciclo de Música Sacra da Igreja Românica de Rates já tem um lugar de referência no espaço musical português e estrangeiro, conforme testemunha o seu passado. Tudo o que o envolve faz partilhar a arte sacra na sua profundidade, lendo-se no belo espaço sagrado da Igreja Românica, monumento que fisicamente o acolhe, escutando-se nas sonoridades que o preenchem ou interiorizando-se o mistério que espelha. Esperamos fazer eco das palavras do Papa Francisco ditas aos participantes no Congresso Internacional de Música Sacra (Cidade do Vaticano, março/2017), onde realçou a importância de “salvaguardar e valorizar o rico e multiforme património herdado do passado”, tendo acrescentado que é necessário utilizar o património musical “com equilíbrio” no presente, evitando “o risco de uma visão nostálgica ou «arqueológica»”.
Este ano, o XII Ciclo de Música Sacra tem uma motivação acrescida na sua programação que, para além da sacralidade onde se fundamenta, evidenciada na celebração do Ano Mariano que une os cristãos, em particular, na comemoração dos cem anos das Aparições de Fátima, também se revela pela envolvência social integrando-se na celebração dos 500 anos da outorga do Foral Manuelino à Vila de Rates. Para além da dupla motivação referida, o ciclo também se associa à celebração do centésimo aniversário do nascimento de Manuel Faria (1916-1983) e presta uma homenagem a Arnaldo Moreira (1879-1962), um músico e filho desta localidade.
Com efeito, na sua vasta dimensão formativa e artística, o 12º Ciclo, dando vida a um vasto tesouro artístico, na programação que preenche o mês de maio, encontra-se: o VIII Curso de Música Sacra (Direção Coral - Técnica Vocal - Órgão Litúrgico e Conferência); o Encontro de Coros Paroquiais (Arciprestado V. Conde/P. Varzim), o Encontro de Formações Jovens - Coro Manuel Giesteira (Amorim); Ensemble Vocal Arnaldo Moreira (Rates); um concerto instrumental de órgão e violino; e os concertos vocais pela Capella Duriensis (Porto), pelo Absolute Vocem Ensemble (Porto), pelo Manuel Faria Ensemble (Coimbra) e pelo Coral “Ensaio” (Póvoa de Varzim).
Compete-nos dar continuidade à história, escrevendo a nossa, fazendo com que os talentos rendam e o espiritual se dignifique. Aproveitemos todos estes momentos especiais para crescermos na cultura musical e na espiritualidade com que ela nos enriquece. Para isso, convidamos, cada um, a estar presente neste encontro socio-religioso e cultural que tem como elemento congregante a “Divina Arte”.
A todos, um Bem-Haja!

Vila de Rates, abril de 2017
O Arcipreste e Pároco de Rates
Pe. Manuel Sá Ribeiro